Terça-feira, 25 de Julho de 2017

Justiça Federal informa: quase R$ 2 bilhões aguardam destinatários em contas judiciais na Região Sul

17/07/2017

Quase 43 mil pessoas da Região Sul do país podem ter direito a receber quantias que totalizam R$ 1,9 bilhão. Com a publicação de uma lei federal no último dia 6 de julho, esse dinheiro poderá ser recolhido pela União e transferido para a Conta Única do Tesouro Nacional. Embora ainda não haja um prazo para isso, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) informa todos aqueles que ingressaram com ações na Justiça Federal do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, há mais de dois anos, para que verifiquem se não tem valores a receber, a não ser que estejam bloqueados. Na maioria dos casos, os destinatários do dinheiro não foram encontrados pelos meios habituais – emissão de intimações ao endereço cadastrado no processo.

O montante diz respeito a Requisições de Pequeno Valor (RPVs) e Precatórios expedidos pelas respectivas Seções Judiciárias e depositados em conta judicial há mais de dois anos. São ações das mais variadas, incluindo previdenciárias, tributárias e cíveis. Os valores se referem também aos depósitos em juízo decorrentes de processos que tramitaram na Justiça Estadual, em razão da competência delegada (ações previdenciárias e de execução fiscal).

De acordo com o gestor do Projeto Regional de Depósitos Judiciais da Justiça Federal da 4ª Região, desembargador federal Jorge Antonio Maurique, muitas vezes os valores também estão bloqueados por força de decisão judicial, como penhora, ou até mesmo por falecimento da parte.

A Lei 13.463/17, sancionada na semana passada e ainda não regulamentada, autoriza o cancelamento dos precatórios e das RPVs federais depositados a mais de dois anos, cujos valores não tenham sido levantados, até então, pelo credor, e estejam depositados em instituição financeira oficial. Uma nova requisição poderá ser expedida, a requerimento do beneficiário.

Maurique entende que as novas regras do governo federal ignoram o esforço do Poder Judiciário para identificar os beneficiários dos depósitos judiciais. Ele lembra, inclusive, que a Justiça Federal gaúcha já foi reconhecida nesse sentido pelo IX Prêmio Innovare, em 2014. O projeto da 4ª Região recebeu distinção por promover o desarquivamento de processos previdenciários considerados já concluídos para localizar as partes e realizar o pagamento de indenizações há anos pendentes. “A União está se apropriando de valores e entrando na esfera do Poder Judiciário. No meu entendimento, esta lei é inconstitucional”, ressaltou Maurique.

De acordo com o texto legal, pelo menos 20% do total repassado ao Tesouro deverá ser aplicado pela União na manutenção e desenvolvimento do ensino, enquanto um mínimo de 5% será aplicado no Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM). O restante da verba não tem aplicação definida.

O Paraná é o estado com maior montante a ser resgatado. O valor chega a R$ 1,3 bilhão, dos quais R$ 900 milhões são originários de uma desapropriação cujas contas estão bloqueadas por decisão judicial. Ao todo, 11.457 paranaenses são titulares das contas. O estado de Santa Catarina fica em segundo lugar, com R$ 357,8 milhões para 9.334 beneficiários. Já no Rio Grande do Sul, 22.205 cidadãos poderão resgatar R$ 291,8 milhões.

A Justiça Federal da 4ª Região (RS, SC, PR) informa que todos aqueles que ingressaram com ações há mais de dois anos devem consultar seus advogados e verificar se possuem valores a receber. Os advogados são notificados, mas pode haver perda de contato com a parte por mudança de endereço ou até mesmo falecimento.

Caso o contato com o advogado não seja possível, o interessado pode ingressar no portal da Seção Judiciária do estado no qual ingressou com a ação (www.jfrs.jus.br, www.jfsc.jus.br e www.jfpr.jus.br), ou nos sites da Justiça Estadual nos casos de ações da competência delegada, e consultar o número do processo e a vara em que tramitou, informando o próprio CPF. Familiares de autores já falecidos também podem fazer a consulta. O passo seguinte é procurar a unidade judiciária onde se encontra a ação.

A Justiça Federal atua nas causas em que a União, seus órgãos, autarquias, empresas e fundações públicas estejam envolvidas, além dos conselhos de fiscalização profissional, entre outros. As demandas mais comuns envolvem o INSS e a Caixa Federal.

Fonte:
Controle de Processos
Usuário:
Senha:

Newsletter

Email:

Previsão do tempo

Sem informações disponíveis
X

MATRIZ PORTO ALEGRE

Av. Independência , 1123
Independência , Porto Alegre / RS
CEP: 90035-077
Telefone: +55 (51) 32289026
Telefone: +55 (51) 32251623

Filial Florianópolis

Av. Salvador di Bernardi , 720 - 102
Campinas , São José / SC
CEP: 88101-260
Telefone: +55 (48) 41413510

Filial Balneário Camboriú

Rua 1.901 , 111 - Sala 02
Centro , Balneario Camboriú / SC
CEP: 88330-819
Telefone: +55 (47) 33678978

Filial Capão da Canoa

RS 407 , 1331 - 104
Centro , Capão da Canoa / RS
CEP: 95555-000
Telefone: +55 (51) 35025333

MATRIZ PORTO ALEGRE

Av. Independência , 1123,
Independência, Porto Alegre / RS
CEP: 90035-077
Telefone: +55 (51) 32289026
Telefone: +55 (51) 32251623

Filial Florianópolis

Av. Salvador di Bernardi , 720 - 102,
Campinas, São José / SC
CEP: 88101-260
Telefone: +55 (48) 41413510

Filial Balneário Camboriú

Rua 1.901 , 111 - Sala 02,
Centro, Balneario Camboriú / SC
CEP: 88330-819
Telefone: +55 (47) 33678978

Filial Capão da Canoa

RS 407 , 1331 - 104,
Centro, Capão da Canoa / RS
CEP: 95555-000
Telefone: +55 (51) 35025333

Visitantes

: 115161
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Desenvolvido pelo INTEGRA